PERIAFRICANIA PRODUÇÕES

Loading...

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Encontro da Frente de Resistência Urbana



                                
                                     Momento de troca de idéia

      
  Foi realizada em São Paulo, nos dias 06 e 07 de dezembro de 2011, a reunião da Frente Nacional dos Movimentos Populares - Resistência Urbana. Com representantes de oito estados mais o Distrito Federal, o encontro teve além das pautas debatidas internamente entre os presentes como um dos destaques a continuação de umas da suas principais campanhas do movimento que é “Minha Casa, Minha Luta!” que traz com reivindicações:
1-Uma Política Nacional de Desapropriação dos imóveis urbanos ociosos, que faça com que milhares de terrenos vazios tenham alguma função social e se transformem em moradias populares, escolas, hospitais, creches e parques públicos garantindo que tenham utilidade para a população.
2-Combate a especulação imobiliária, com IPTU progressivo e medidas de sanção, garantindo que os grandes donos de terras paguem os impostos de suas áreas sob pena, inclusive, de perderem estas terras para o Estado.
3-Direcionar os Programas Habitacionais para as famílias com renda mensal até três salários mínimos, garantindo subsídio integral.
4-Destinação da maior parte dos recursos do Programa Minha Casa, Minha Vida para direta das entidades populares, sem participação de empreiteiras, garantindo que as de habitação beneficiem o povo e não o bolso dos empreiteiros.
5-Garantia de não remoção das habitações das populações atingidas pelas intervenções urbanas, com prioridade de política de política de imóveis vazios e/ou subutilizados.

                        
                                  Assembléia na concentração do Ato
                                  Desapropriação: Trabalho, Moradia e Terra.

Somando-se a programação do Encontro da Frente de Resistência Urbana, foi realizado no dia 08 de dezembro de 2011, um Ato com o tema Desapropriação: Trabalho, Moradia e Terra, e o Lançamento da Campanha “Sem Teto com Vida”.
                         
                         
             A Marcha se Formando com a comissão linha de frente

No dia 08 de dezembro, com o lema: É hora de desapropriar por terra, trabalho e moradia! É hora de ocupar as terras, campo e terrenos nas cidades, as fábricas fechadas e falidas, a Avenida Paulista foi tomada por mais de duas mil e quinhentas pessoas marchando na realização do Ato Desapropriação: Trabalho, Terra e Moradia levando ao Escritório da Presidência da República em São Paulo as seguintes pautas de reivindicações:
1-Desapropriação já da fábrica ocupada Flaskô.
2-Desapropriação já pelas moradias dos acampamentos Dandara e Zumbi.
3-Desapropriação já por reforma agrária da área do Sítio Boa Vista em Americana/SP.
4-Não a Criminalização dos Movimentos Sociais.
                       



Na mesma data, no dia 08 de dezembro às 13 horas, foi realizada uma outra marcha, desta vez da Avenida  Paulista até a Assembléia Legislativa de São Paulo, onde foi realizado o Lançamento da Campanha “Sem Teto com Vida” em São Paulo em Audiência Pública: Contra a Criminalização dos Movimentos Sociais.
                               
                  Marcha a caminho da Assembléia Legislativa de SP
    
      O Lançamento da Campanha “Sem Teto com Vida” em São Paulo aconteceu no dia 08 de dezembro com um debate ocorrido entre movimentos populares, central sindical, partidos de esquerda e deputados, realizado em Audiência Pública abordando o tema: Contra a Criminalização dos Movimentos Sociais que tem como objetivo denunciar os recentes casos de atentados sofridos por integrantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), além de intensificar a campanha contra a criminalização dos movimentos sociais. Outro ponto importante debatido na audiência foi a dificuldade de se conseguir o reforço da segurança desses companheiros. “As audiências públicas são importantes, porém temos que garantir efetivamente a segurança para esses companheiros que ainda estão expostos a novos atentados”, denunciou Guilherme Simões membro da Coordenação Nacional do MTST. Mais uma vez a luta se fez necessária e o Hip Hop esteve presente em mais ação revolucionária para a derrubada do capitalismo e construção do socialismo, tendo uma importante participação de integrantes de grupo de graffiti e grupo de rap no decorrer da programação deste encontro com falas, grafite, rap.


                          

‘’Gegê’’- Militante do Mov. Org. de Hip Hop Quilombo Urbano, Membro da Executiva CSP Conlutas, Militante do MH2M Quilombo Brasil...


Nenhum comentário: